Fazer a Tatuagem no Inverno ou Verão

Na hora de fazer a tatuagem é fundamental que se tenha em mente a importância de escolher um período do ano que seja mais adequado para fazer a dermopigmentação. Fazer uma tatuagem implica não apenas na escolha de um desenho, tema, cores, de um local do corpo. É importante lembrar que a Tatuagem requer cuidados, em particular logo após ser feita. Por isso é fundamental escolher uma época do ano que o corpo não fique muito exposto, uma vez que a tatuagem não poderá ficar exposta ao sol.

 

Os grandes tatuadores sempre recomendam que as tatuagens sejam feitas fora do período do verão – em particular para as pessoas que adoram tomar sol, ou terão a parte do corpo que foi tatuada, de algum modo, em contato direto com o sol. Fazer uma tatuagem no inverno é sempre melhor porque a área tatuada sofre uma lesão – não se deve esquecer que o desenho é feito a partir de furos feitos com agulhas e que vão “desenhado” a pele. Há um período necessário para a cicatrização que não costuma ser tão rápida.

 

Vale salientar que o nosso organismo interpreta uma tatuagem quase se ela fosse uma queimadura de segundo grau, então há uma pequena inflamação local que deverá ser tratada de acordo com as orientações do tatuador. Usar pomadas adequadas, não expor o local ao sol, não “arrancar” as casquinhas que se formam sobre o desenho (que na verdade estão ajudando no processo de cicatrização), não deixar pó, pelos de animais, água com grande quantidade de produtos químicos e areia caírem sobre o local.

 

Quem quer aproveitar o verão e mostrar uma nova tatuagem deve fazer um planejamento para que ela seja feita com um mês de antecedência antes de sair de férias no verão em especial os que irão passar o período em praias e piscinas. Depois de passado o período de cicatrização, segundo os tatuadores, não há qualquer risco para a tatuagem, nem para a saúde da pessoa.

 

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados em relação à tatuagem por longa data. É importante que se faça a aplicação de filtro solar sempre sobre o desenho, sempre meia hora antes da exposição ao sol e garantir novas aplicações de duas em duas horas, bem como ao sair da água. De fato, isto serve para evitar que a tatuagem não perca brilho nem cor que a exposição ao sol pode causar, é imperativo redobrar cuidados com o protetor solar, por isso, escolha sempre um fator elevado e que proteja simultaneamente dos raios UVA e UVB.

 


Máscaras Hannya

Muitas pessoas que são tatuadas com máscaras Hannya, por vezes, recebem os olhares de reprovação das pessoas. Interessante ressaltar que, não se trata apenas de uma reprovação com a tatuagem, de forma bem direta, mas por conta de toda uma simbologia que este tipo de desenho possui – bem com a ligação direta à falta de conhecimento sobre o desenho e a sua simbologia.

 

As máscaras Hannya são desenhos de seres chifrudos que em diversas religiões apontam para a própria encarnação do mal, o que sugere serem as pessoas que possuem tal desenho tatuado, um indivíduo que cultue a própria encarnação do demônio. Isto, em uma visão religiosa. Entretanto, como elementos históricos, há várias outras explicações para a simbologia das máscaras Hannya, que são desenhos por vezes apreciados até mesmo pelas mulheres.

 

No Japão, por volta do século XIV, as máscaras Hannya eram tipos de máscaras que representavam diferentes humores e identidades das pessoas e / ou personagens ligadas ao feminino. As máscaras estavam diretamente ligadas ao teatro – homens sempre atuaram nos palcos durantes todas as comemorações; já às mulheres, a prática era proibida. Muito exóticas, coloridas, cada modelo tinha uma simbologia distinta. E, não são os “demônios” que as pessoas tatuam, mas as máscaras que eram usadas nas apresentações no teatro japonês.

 

De qualquer forma, as máscaras acabaram sendo associadas às figuras demoníacas por diversas razões. Dentre elas, pode – se observar a ligação com o budismo japonês, já que as hannyas equivaleriam aos intensos e confusos sentimentos humanos, como o ódio, o ciúme, a tristeza, a paixão e o amor, que, em excesso, poderiam transformar as pessoas em seres ruins. Por isso, as máscaras também contém uma ligação direta com o teatro Noh.

 

Mas, o termo hannya não é derivativo do teatro ‘noh’. Trata-se de um termo que é oriundo do sânscrito prajna que significa “sabedoria”. O termo, portanto, remeteria a um processo de sabedoria suprema, ligado ao equilíbrio de todas as forças.

 

Com o passar dos anos, as pessoas acabaram se identificando com o desenho, que passou a ser inclusive um amuleto – por isso tantas pessoas o tatuaram ao longo dos tempos, e especial os orientais. A intenção dos desenhos de máscaras Hannyas era proteger o indivíduo que a portasse e não associar a pessoa às forças demoníacas do universo.

 

Prajna é a necessidade de abrir os olhos das pessoas para a realidade do mundo. Diz-se também que tal nome foi dado em homenagem ao monge Hannya-bô, que aperfeiçoou a criação das máscaras.

Antiga Foto de Mulher Tatuada

Tatuar-se nem sempre foi uma prática corriqueira e aceitável na cultura ocidental. Inclusive as tatuagens somente chegaram ao velho mundo, depois que o famoso explorador,  navegador e cartógrafo, Capitão Cook retornou de uma de suas viagens à região do Pacífico e contou todos – ou quase todos – os segredos relacionados à cultura Maori, em particular. Cook teria ficado muito impressionado de ter visto a população regional tatuar-se, além de outras práticas que eles faziam para adornar o corpo.

 

Os desenhos, as cores das tatuagens estavam ligadas diretamente às questões culturais e religiosas. As apresentar as técnicas para o ocidente, elas de forma bem rápida foram disseminadas, assim como cultuadas entre os nobres. Isto em 1760.

 

E foi a Era Vitoriana que a tatuagem começou a ganhar força no ocidente. As mulheres nobres começaram, por diversas razões, a marcarem seus corpos. Elas faziam pequenas tatuagens nos braços ou pernas, com os nomes de seus maridos. Algumas preferiam fazer os desenhos de joias que fossem adornos permanentes.

 

As técnicas aplicadas ainda eram bem rudimentares, por vezes, feitas até mesmo por maridos e pais que as usavam como placas de treinamento. Mas, quando a tatuagem  se popularizou, chegando até as camadas mais populares, as mulheres nobres deixaram de lado a prática e passaram a retaliar as mulheres que se tatuavam. Vale salientar que as que continuaram a se tatuar pertenciam às camadas menos abastadas.

 

Algumas mulheres, entretanto, podem ser tidas como pioneiras na área da tatuagem,  quer porque foram as primeiras a apareceram com os corpos todos tatuados, quer seja pelo fato de se tornarem as primeiras mulheres tatuadoras.

 

Irene Woodward é uma delas. Também conhecida na história como “La Belle Irene”, ela foi uma das primeiras mulheres a realizar performances como mulher tatuada, isto ainda em 1880. Sua estreia aconteceu em Nova Iorque e lá trabalhou por vários meses até seguir viagem à Europa, onde fez grande sucesso também. Trabalhos durante 15 anos em circos. Irene teria sido tatuada pelo pai e depois, por um aprendiz dele.

 

Outra mulher que foi pioneira na arte da tatuagem foi Maud Wagner. Ela é a primeira tatuadora mulher que se tem notícia e documentação na história. Para aprender a tatuar, teve diversos encontros amorosos com o futuro marido Gus, em troca de aulas de tatuagens. Foi também trapezista, contorcionista de circo. Maud, ao lado do marido e da filha, foram os primeiros a utilizarem uma máquina de tatuagem elétrica.

 

Mitos e Verdades Sobre Tatuagens

Há diversos mitos que rodam o universo das tatuagens, mesmo em tempos de alta febre e popularização da arte de eternizar marcas no corpo. Uma delas se refere diretamente à questão da dor. Fazer tatuagens dói sim. Elas são feitas com agulhas, tanto a de traçar (de 1 a 3 agulhas), quanto a de sombrear ou colorir (mais de oito agulhas). Em geral, quanto mais agulhas, menor é a dor, já que o traço é mais espalhado na pele. A quantidade de dor varia de pessoa para pessoa e do lugar. Os lugares mais comuns que “doem” são costelas, barriga, dedos, pescoço, genitais, rosto e axilas, que são peles mais finas e próximas de nervos e órgãos vitais.

 

Alguns testes e observações também devem ser realizados antes de uma pessoa fazer tatuagem sim. Um deles é relativo à alergia às tintas. Quem é muito alérgico deve fazer um teste alguns dias antes, para ver se não acontece nenhum tipo de reação. E isto não é mito.

 

Já para o caso de pessoas que possuem tendência a ter queloide na pele, vale lembrar que a tatuagem não atinge camadas muito profundas da pele, ela vai até a epiderme, que é uma camada bem superficial, não deve causar uma cicatriz profunda, portanto. Mas, vale salientar que o processo de queloide depende do profissional e da sua pele.

 

É verdade. Alguns alimentos devem ficar fora da alimentação por ao menos quinze dias por parte de quem acabou de fazer tatuagem. Isto porque eles realmente podem causar processos inflamatórios. A carne de porco, camarão, chocolates e alimentos gordurosos aumentam a chance de inflamação. Como a tatuagem é uma lesão, ela tem que cicatrizar, e inflamações prejudicam o processo de recuperação da pele. Muitas pessoas não têm problemas com esses alimentos, mas, na dúvida, é importante manter uma alimentação balanceada.

 

A pele não fica dormente durante, e após a tatuagem. Quanto mais longa a sessão de tatuagem, mais irritada a pele ficará. Contudo, o seu corpo naturalmente produz endorfinas sob alto nível de estresse, o que gera um alívio na região após umas três horas.

 

Tatuagem não vicia. O que pode acontecer é uma pessoa querer fazer outras porque gostou do efeito.  Apenas isto.

 

Algumas cores não doem mais do que as outras durante o processo de tatuagem. O que provoca a dor são as agulhas furando a pele. Mas, é verdade que algumas tonalidades e tintas desbotam com o tempo.

 

Artista Com Tatuagem Pelo Corpo

Há diversos mitos que cercam o universo das tatuagens, mesmo em tempos em que o processo de eternizar desenhos no corpo se tornou tão popular. Isto se deve ao fato, justamente, de a tatuagem ter se popularizado tanto, em especial entre jovens, que nem sempre buscam as informações de maneira devida e acabam repetindo informações equivocadas que foram ouvidas de outras pessoas. O processo vai formando uma bola de neve, e é muito importante desmistificar algumas “inverdades”.

 

Uma dessas inverdades que circulam muito é sobre dor. Tatuar dói mesmo, uma vez que os desenhos são feitos por meio de agulhas que perfuram a pele. Há o mito de que se a tatuagem for feita em uma região mais gordinha do corpo, ela dói menos. Puro engano. Puro mito. A quantidade de tecido adiposo não vai minimizar as dores sentidas, até por que dor é algo que varia de pessoa para pessoa. A região dos glúteos, por exemplo, é uma das que mais dói ao fazer uma tatuagem.

 

Tintas perdem a intensidade das cores com tempo? Sim, isto não é mito, é verdade. Em particular se a qualidade da tinta não for das melhores. Os novos pigmentos são bastante resistentes, diferente do que acontecia com as tintas usadas há alguns anos.  O que de fato deve sempre se evitar é a exposição da tatuagem ao sol, para não ressecar e não danificar com o tempo a pintura.

 

As tatuagens não ficam esverdeadas ou azuladas com o tempo, pelo menos as que são feitas nos dias de hoje. Quando se pensa em tatuagens que ficavam com aspecto borrado, remente-se a um período em que as tatuagens eram feitas dentro das cadeias, pelos prisioneiros sem qualquer tipo de cuidado ou profissionalismo. As técnicas de se tatuar avançaram muito os últimos anos, e os trabalhos são belíssimos.

 

Tatuagens podem ou não ser caras. Isto vai depender do projeto que se deseja desenvolver, bem como a técnica aplicada e o estúdio onde ela será desenvolvida. Um trabalho pequeno e simples é totalmente acessível e mais barato, em contrapartida, um outro mais complexo e grande levará bem mais tempo para ser executado, custando mais caro. O preço de uma boa tatuagem, como ocorre como uma boa obra de arte, não é um fator que se deve dar importância. Quanto maior o investimento, melhor será sua arte. Um conselho simples é saber escolher o profissional e tudo estará resolvido.

 

Também é bom evitar fazer tatuagens na gravidez, já que existe um risco, mínimo de contrair alguma infecção. Outra verdade é quanto à doação de sangue. Após fazer a tatuagem, por medidas de segurança, o prozo no Brasil é de 6 meses a um ano.

 

 

Bela Mulher Tatuada no Braço

Há diversos mitos que rodam o universo das tatuagens, mesmo em tempos de alta febre e popularização da arte de eternizar marcas no corpo. Uma delas se refere diretamente à questão da dor. Fazer tatuagens dói sim. Elas são feitas com agulhas, tanto a de traçar (de 1 a 3 agulhas), quanto a de sombrear ou colorir (mais de oito agulhas). Em geral, quanto mais agulhas, menor é a dor, já que o traço é mais espalhado na pele. A quantidade de dor varia de pessoa para pessoa e do lugar. Os lugares mais comuns que “doem” são costelas, barriga, dedos, pescoço, genitais, rosto e axilas, que são peles mais finas e próximas de nervos e órgãos vitais.

 

Alguns testes e observações também devem ser realizados antes de uma pessoa fazer tatuagem sim. Um deles é relativo à alergia às tintas. Quem é muito alérgico deve fazer um teste alguns dias antes, para ver se não acontece nenhum tipo de reação. E isto não é mito.

 

Já para o caso de pessoas que possuem tendência a ter queloide na pele, vale lembrar que a tatuagem não atinge camadas muito profundas da pele, ela vai até a epiderme, que é uma camada bem superficial, não deve causar uma cicatriz profunda, portanto. Mas, vale salientar que o processo de queloide depende do profissional e da sua pele.

 

É verdade. Alguns alimentos devem ficar fora da alimentação por ao menos quinze dias por parte de quem acabou de fazer tatuagem. Isto porque eles realmente podem causar processos inflamatórios. A carne de porco, camarão, chocolates e alimentos gordurosos aumentam a chance de inflamação. Como a tatuagem é uma lesão, ela tem que cicatrizar, e inflamações prejudicam o processo de recuperação da pele. Muitas pessoas não têm problemas com esses alimentos, mas, na dúvida, é importante manter uma alimentação balanceada.

 

A pele não fica dormente durante, e após a tatuagem. Quanto mais longa a sessão de tatuagem, mais irritada a pele ficará. Contudo, o seu corpo naturalmente produz endorfinas sob alto nível de estresse, o que gera um alívio na região após umas três horas.

 

Tatuagem não vicia. O que pode acontecer é uma pessoa querer fazer outras porque gostou do efeito.  Apenas isto.

 

Algumas cores não doem mais do que as outras durante o processo de tatuagem. O que provoca a dor são as agulhas furando a pele. Mas, é verdade que algumas tonalidades e tintas desbotam com o tempo.

 

Belas Tatuagens Mitologias

Há diversos mitos que cercam o universo das tatuagens, mesmo em tempos em que o processo de eternizar desenhos no corpo se tornou tão popular. Isto se deve ao fato, justamente, de a tatuagem ter se popularizado tanto, em especial entre jovens, que nem sempre buscam as informações de maneira devida e acabam repetindo informações equivocadas que foram ouvidas de outras pessoas. O processo vai formando uma bola de neve, e é muito importante desmistificar algumas “inverdades”.

 

Uma dessas inverdades que circulam muito é sobre dor. Tatuar dói mesmo, uma vez que os desenhos são feitos por meio de agulhas que perfuram a pele. Há o mito de que se a tatuagem for feita em uma região mais gordinha do corpo, ela dói menos. Puro engano. Puro mito. A quantidade de tecido adiposo não vai minimizar as dores sentidas, até por que dor é algo que varia de pessoa para pessoa. A região dos glúteos, por exemplo, é uma das que mais dói ao fazer uma tatuagem.

 

Tintas perdem a intensidade das cores com tempo? Sim, isto não é mito, é verdade. Em particular se a qualidade da tinta não for das melhores. Os novos pigmentos são bastante resistentes, diferente do que acontecia com as tintas usadas há alguns anos.  O que de fato deve sempre se evitar é a exposição da tatuagem ao sol, para não ressecar e não danificar com o tempo a pintura.

 

As tatuagens não ficam esverdeadas ou azuladas com o tempo, pelo menos as que são feitas nos dias de hoje. Quando se pensa em tatuagens que ficavam com aspecto borrado, remente-se a um período em que as tatuagens eram feitas dentro das cadeias, pelos prisioneiros sem qualquer tipo de cuidado ou profissionalismo. As técnicas de se tatuar avançaram muito os últimos anos, e os trabalhos são belíssimos.

 

Tatuagens podem ou não ser caras. Isto vai depender do projeto que se deseja desenvolver, bem como a técnica aplicada e o estúdio onde ela será desenvolvida. Um trabalho pequeno e simples é totalmente acessível e mais barato, em contrapartida, um outro mais complexo e grande levará bem mais tempo para ser executado, custando mais caro. O preço de uma boa tatuagem, como ocorre como uma boa obra de arte, não é um fator que se deve dar importância. Quanto maior o investimento, melhor será sua arte. Um conselho simples é saber escolher o profissional e tudo estará resolvido.

 

Também é bom evitar fazer tatuagens na gravidez, já que existe um risco, mínimo de contrair alguma infecção. Outra verdade é quanto à doação de sangue. Após fazer a tatuagem, por medidas de segurança, o prozo no Brasil é de 6 meses a um ano.

Bela Tatuagem Com Tinta Branca

Uma tendência que vem crescendo muito no universo da tatuagem é a da tatuagem com tinta branca. Trata-se de um desenho que é feito totalmente em tinta branca na pele, e que tem se destacado porque muitas pessoas famosas passaram a aderir a esta novidade, que parece ser uma escolha bastante assertiva para quem quer uma tatuagem discreta e ao mesmo tempo delicada. Na tatuagem tradicional, os tatuadores usam a tinta branca apenas quando querem dar algum tipo de destaque pequeno na totalidade do desenho. Contudo, usar a tinta branca para a realização de todo o projeto vem ganhando cada vez mais adeptos.

 

Sabe-se que o uso de tinta branca para a realização de um projeto de tatuagem é fenômeno novo, uma vez que não faz parte do universo da tatuagem, dentro dos limites de sua própria historia. Tanto é que é até mesmo difícil encontrar informações corretas e precisas quanto à nova prática. Há ainda uma outra dificuldade que pessoas que fazem a opção pela tatuagem de tinta branca acabam esbarrando – em como se deve cuidar desse tipo de tatuagem, já que a tinta branca costuma ser mais frágil que as demais.

 

Para quem faz uma tatuagem, a escolha do desenho, bem como do estilo devem ser bastante estudadas. Uma tatuagem deve ser pensada como algo permanente, mesmo que hoje existam técnicas capazes de fazer a remoção parcial ou total. É muito importante pensar, planejar e conhecer as técnicas e os cuidados necessários com a tatuagem – já que isto é garantia também de saúde do corpo.

 

O que move as pessoas a escolherem tatuagem de tinta branca, em grande parte, é porque querem que ela não seja visível aos olhares públicos. Nota-se que uma tatuagem quase nunca passa desapercebida – a não ser que esteja em uma área do corpo muito particular. A tatuagem com tinta branca é delicada, sutil, e se o trabalho for bem realizado, pode realmente ter um efeito muito bonito. Ela é uma alternativa menos ousada e muito precisa para a escarificação – que é a técnica de modificação do corpo, na qual consiste em produzir cicatrizes na pele através de instrumentos cortantes.

 

Há diversas vantagens em se fazer uma tatuagem com tinta branca, em especial para as pessoas que possuem carreiras profissionais que ainda não permitem tatuagens visíveis no braço ou outras partes mais expostas do corpo.

 

Já a desvantagem está diretamente ligada à durabilidade da tatuagem – que, certamente, não será garantida por nenhum tatuador, uma vez que a tinta branca tende a desaparecer com o tempo.

 

 

Bela Tatuagem de Carpa no Peito e Ombro

A simbologia representativa dos desenhos das tatuagens podem ter diversos significados. Há as tatuagens maori, que possuem a sua significação, bem como os desenhos mais genéricos e os que estão inseridos na cultura oriental. Estes, por sua vez, podem ser até controversos, já que muitos significados foram sendo misturados através dos tempos.

 

E não é apenas isto. Hoje, em função da internet, há muita informação disseminada de forma não confiável, e as pessoas fazem a leitura das informações e passam a reproduzi-las indiscriminadamente, e sem atestar a veracidade delas. Há poucos livros e poucas traduções voltadas para o segmento, que realmente sejam confiáveis. Isto se deve ao fato de que por muito tempo a tatuagem foi considerada prática marginal – representativa de classes menos favorecidas.

 

Veja aqui o significado na cultura oriental de alguns desenhos que são considerados clássicos no universo da tatuagem.

 

Carpa – há uma lenda que diz que a carpa precisava seguir viagem no rio Huang Ho, para chegar até a fonte. Isto em épocas de desova e vencendo diversos obstáculos, já que o Huang Ho corta toda a China. A carpa que chegasse à montanha de Jishinhan se tornaria um belo dragão. Carpas tatuadas possuem duas simbologias na cultura oriental: se a cabeça estiver virada para cima, significa força para alcançar os objetivos, determinação em superar um obstáculo; já com a cabeça virada para baixo, significa que os objetivos foram alcançados.

 

Dragão – é um dos desenhos mais clássicos no universo da tatuagem, seja ele do tamanho que for; para homens e para mulheres. O desenho pode ser atribuído também aos chineses e japoneses. Os desenhos são dos mais diversos, porém há semelhanças atribuídas a eles: são lagartos gigantescos, alados,  rememorativos às criaturas pré-históricas; além disso, se assemelham aos dinossauros que vagaram a milhões de anos na terra. O dragão é um dos desenhos mais simbólicos também. Podem representar o bem e o mal; também remetem ao poder atemporal dos imperadores, tanto chineses quanto japoneses; ainda podem representar os quatro elementos naturais, a perseverança, a lealdade, a força, a felicidade e a vida eterna.

 

Flor de Crisântemo – tão popular quanto a flor de lótus, este desenho também é cercado por simbologia. Um das flores mais cultivadas no mundo, o crisântemo simboliza a perfeição, a tranquilidade, o equilíbrio entre as forças opostas. Ainda simboliza a abundância e a prosperidade. A flor de crisântemo também é símbolo da simplicidade taoísta.

 

Cuidados Com a Tatuagem na Piscina

Quem possui uma tatuagem deve saber que os cuidados com ela são permanentes. Não basta penas conhecer sobre tatuagens, estilos, cores, significados. É importante saber como cuidar do desenho, ao longo prazo, uma vez que ele fará parte de sua vida, em princípio, eternamente.

 

Embora os cuidados sejam relativamente simples, eles devem ser realizados para minimizar os impactos sobre o próprio corpo e na saúde de quem fez a tatuagem. É fundamental que ao fazer o desenho, a pessoa saiba exatamente o local onde ele será feito, o tamanho para dar segmento aos cuidados que duram, inicialmente, cerca de um mês até a cicatrização total. Depois desse período, os cuidados são para a vida toda.

 

A utilização de uma película aderente (plástico filme) e a hidratação com uma pomada específica (em geral D-pantol) são os cuidados básicos que qualquer tatuador irá indicar depois de concluir o seu trabalho. Mas existem ainda outros que não podem deixar de serem realizados, como o mínimo de exposição ao sol no local tatuado, bem como o contato com praia e piscina.

 

Desses dois locais indicados, o que pode representar mais perigo para que acabou de se tatuar é a piscina. Embora ela costume ser vista como um local seguro e que não afeta a tatuagem, há riscos iminentes que são causados em especial por conta da água. Como há uma presença muito grande de cloro na água, bem como de bactérias, o risco de contrair uma infecção existe em potencial. Sem contar que o próprio cloro pode causar um desbotamento das cores da tatuagem, já que ela ainda está em processo de cicatrização.

 

Nenhum recém-tatuado, portanto, deve entrar em piscina. Por mais que ele creia que não haverá contato com a água, se, por exemplo, o local tatuado for a nuca, pescoço ou qualquer outra parte superior do corpo.

 

E não é somente esta a recomendação dos tatuadores. É importante redobrar os cuidados com a hidratação do corpo – beber muita água -, além de manter hidratado o local onde há a tatuagem. Uso do protetor solar com nível de proteção elevado também é obrigatório. Isto dará uma segurança para que depois do período de quarentena, a tatuagem possa finalmente ser exibida – linda, exuberante e saudável.

 

Os próprios dermatologistas que se especializaram em processos de dermopigmentação recomendam aos tatuados novos e antigos – se quer uma tatuagem bonita e que não necessite de retoques rápidos, fuja do sol.